terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Dica da BodyNutri Suplementos: Como manter a rotina de treino no fim de ano?

 treino-fim-de-ano

Com o final do ano se aproximando, os momentos de confraternização aumentam: festas na empresa, encontros com os amigos, happy hour com os colegas e os compromissos familiares. Neste período, é comum sentir aquela vontade de se entregar as tentações e à temporada de descanso (e comilança) é tentadora.
É comum sentirmos preguiça ou não conseguirmos resistir a estas tentações, tanto em relação à alimentação como nos treinos. Mas, você precisa visualizar todo o seu trabalho e rotina de treinamento durante os outros meses do ano, a fim de não colocar todo o seu esforço em risco.
Por isso, é importante que você saiba que é possível ter bons momentos de final de ano sem deixar a peteca cair. Você pode (e até deve!) relaxar e diminuir o ritmo nesses dias, mas não totalmente. Veja dicas para não deixar o treinamento de lado:

Escolha locais perto de casa
Caso o seu problema seja a preguiça de correr longe de casa, escolha locais de fácil acesso e mais perto de você. Com isso, você evita o desgaste do deslocamento e fica mais próximo da sua casa, o que é muito mais animador.

Faça treinos com seus amigos
Correr em grupo ou acompanhado de algum amigo pode ser o fator decisivo para você não deixar a rotina de treinamento de lado, pois a companhia de outro corredor pode ser um estímulo para a sua disciplina. Esse é o vínculo certeiro com o compromisso da corrida.

Comece a traçar suas próximas metas
Se você não tem nenhuma prova muito próxima ou quer melhorar seu desempenho, comece a planejar seu calendário do próximo ano. Com isso, você se sentirá mais motivado e terá um animo a mais para levantar do sofá e continuar (ou recomeçar) seu treinamento. Independente do seu objetivo tenha em mente que você precisará de um bom condicionamento, resistência e força para enfrentar os próximos desafios. Então, aproveite esses dias para fazer suas escolhas.

Corra sem relógio
O ano acabou e você pode relaxar em relação à quebra de tempos e de recordes. Para ajudar a relaxar e manter-se motivado na corrida, escolha um dia para correr sem se preocupar com o tempo. Deixe o relógio em casa e aproveite para curtir o momento da corrida. Mantenha o condicionamento físico sem neura e livre-se da pressão que o relógio pode fazer em sua mente. Se estiver viajando, aproveite para conhecer os lugares correndo.

Saia da rotina
Se a ideia é não se esforçar muito e aproveitar o final de ano para descansar, tudo bem: você pode optar por outras atividades físicas para manter-se ativo. Que tal partida de tênis ou uma aula de dança para espairecer? O que importa é não parar de se exercitar e não perder o condicionamento adquirido ao longo do ano.

(Fonte: Gérson Marques, professor e preparador físico da UNIMESP-SP)
Por Ana Clara Fujimori


COLABORADORES DO BLOG:

domingo, 27 de dezembro de 2015

Dicas de Como Correr uma Maratona Abaixo de 4 horas.



Depois de correr 42 quilômetros e mais uns tantos metros, você finalmente trava o cronômetro. Sob seus pés, a linha de chegada não é mais um objetivo a ser alcançado. Longa e exaustiva, a jornada foi também recompensadora. Já relaxado, medalha no pescoço, resolve dar outra olhada no relógio. Aperta alguns botões e confirma: cravou 4:15:00.
 
O número lhe incomoda. Você sente que podia ter feito um pouco melhor. Acredita que teria sido possível correr pelo menos uns 15 minutos mais depressa. Não chega a ficar deprimido com o resultado, mas a felicidade está longe de ser completa. Agora, concluída a prova, lamentar-se é tudo que lhe resta fazer. Talvez na próxima...
 
Pois saiba que você não está sozinho nessa história. A cada corrida que termina, centenas de outros participantes voltam para casa com a mesma sensação do dever não cumprido. Em termos de resultado, embora cada corredor possa ter seu objetivo particular, uma expressiva maioria deles sempre alega ter ficado alguns minutos distante do tempo que desejava.
 
Então nós, da Contra-Relógio, resolvemos lhe dar um, digamos, empurrãozinho. Aproveitando que a temporada das maratonas brasileiras está para começar, com 4 neste semestre (leia matéria na edição de janeiro e também nesta, sobre as provas de Florianópolis, Porto Alegre, São Paulo e Rio), vamos ajudar você a realizar seu grande sonho: completar a primeira maratona abaixo de 4 horas. Afinal de contas, 15 minutos são 15 minutos, e fazem uma senhora diferença na hora de entrar no Ranking Brasileiro dos Maratonistas.
 
Para realizar seu desejo, além daquilo que você já faz, basta que aplique as 12 estratégias que serão apresentadas a seguir. Embora isoladamente nenhuma dessas recomendações seja capaz de transformar você num campeão, tomadas em conjunto elas farão com que consiga chegar um pouco mais perto dele. Sendo mais preciso, 15 minutos mais perto.

1- Treine velocidade Que para correr rápido é preciso treinar velocidade ninguém discute. Mas você não precisa ficar dando tiros a torto e a direito por ai. Há outras formas eficientes e menos arriscadas de fazer isso. Correr a "intervalos negativos" é uma delas. Divida seu treino em duas partes (distâncias) iguais e, sem relaxar na primeira, procure correr sempre mais depressa a segunda metade. O objetivo não é reduzir muito, mas sim baixar sistemática e consistentemente o tempo nela. Se quiser, divida em três e corra o terço posterior mais rápido que o anterior.
Redução de tempo possível: 2 minutos


2- Preocupe-se com o climaPara quem quer baixar tempo, correr uma maratona no nordeste no verão pode não ser uma boa idéia. A variável clima é importantíssima no dia da prova. Além das previsões meteorológicas, é aconselhável que você confira as condições em que foram realizadas as provas anteriores. Se chegou e, pior ainda, costuma chegar a 30 graus perto das 4 horas de prova, é bom esquecer essa opção e buscar outra. Procure levar sempre em consideração o horário de largada, pois ele é importante. Quanto mais cedo melhor.
Redução de tempo possível: 1,5 minuto

3- Escolha bem o percursoTudo bem que você não ganhará nenhum ponto extra por bravura, mas como não é isso que você está querendo... Ao invés de enfrentar subidas desgastantes, prefira uma maratona em terreno plano ou quase sem nenhuma subida. Não se iluda: a maioria dos recordes pessoais é, sim, marcada nessa condição. A CR tem apresentado o plano altimétrico das maratonas brasileiras, como nesta edição com a prova de Florianópolis. Use-o a seu favor.
Redução de tempo possível: 1,5 minuto

4 - Encontre um parceiroRitmo é fundamental. Largar muito rápido (mais provável) ou muito lento (menos comum) são erros freqüentes e que prejudicam qualquer chegada. Encontre ou convide alguém experiente para correr em determinado ritmo, e deixe por conta dele as preocupações com o tempo. Tudo o que você terá de fazer será acompanhá-lo, o que já não será pouco. Livre das preocupações com o ritmo, aproveite para concentrar-se no abastecimento, na sua postura.
Redução de tempo prevista: 1 minuto

5 - Faça mais longõesSe você costuma fazer apenas um ou dois longões preparatórios (no caso, treinos com distâncias entre 28 e 36 km), experimente fazer mais alguns. Bem divididos, três ou quatro seriam o ideal. Mas atenção: planeje direitinho e não deixe para cima da hora. Certifique-se que o último seja feito pelo menos duas semanas antes do dia da prova. Os longões adicionais irão melhorar sua endurance, aumentando a resistência nos quilômetros finais, exatamente onde você deve ter perdido minutos preciosos na última maratona.
Redução de tempo possível: 2 minutos

6 - Quanto mais perto, melhorVocê seguramente já ouviu falar em "jet lag", aquela sensação desagradável de cansaço que as pessoas sentem quando fazem viagens muito demoradas. Se elas atrapalham os executivos, imagine o que não causam aos maratonistas... Por mais que se esforce, nessas condições você jamais correrá bem uma prova. Distúrbios na alimentação e no repouso irão interferir no resultado. Na medida do possível, escolha uma prova perto de casa ou procure chegar dois dias antes em maratonas mais distantes. Se der, pelo menos na ida troque o ônibus por avião. Você merece.
Redução de tempo possível: 1 minuto

7 - Fuja das multidõesMaratonas festivas e que atraem grande número de participantes são adoráveis em todos os sentidos, mas quando se trata de baixar tempo devem ficar em último lugar. Procure uma prova menos concorrida em termos de participação. Evite correr aquela na qual você terá que "negociar" espaço com a multidão durante os primeiros quilômetros até que a pista fique mais livre. Além de ser um fator de stress, essas disputas poderão comprometer seu resultado no sentido inverso.
Redução de tempo possível: 1 minuto

8 - Teoria da carga glicogênicaSaber alimentar-se é uma coisa, manipular a alimentação é outra. A teoria da carga glicogênica visa ampliar a eficiência da suplementação de carboidratos e diz respeito ao aumento da concentração de carboidratos no período pré-competição. Envolve treinos de intensidade progressiva nos primeiros quatro dias da última semana de preparação, acompanhados de uma redução acentuada na ingestão dos carboidratos e mais de proteína. Após esses primeiros quatro dias, os treinos devem ser reduzidos e a ingestão de carboidratos aumentada e reduzia a de proteína. Essa técnica permite ganhos comprovados de até 40% no total do glicogênio acima dos níveis normais do atleta, garantindo melhor desempenho.
Redução de tempo possível: 1 minuto

9 - Reabasteça-se no percursoCompletar a bateria durante a prova é essencial. Como seu corpo só tem estoque de carboidrato sob a forma de glicogênio muscular para rodar 30 ou 36 km, é preciso repor o gasto antes que a carga se esgote. Isso pode ser feito facilmente por meio de algum energético: sachês de gel de carboidrato, bebidas esportivas, barras energéticas ou até mesmo frutas desidratadas. Lembre-se de não experimentar nada no dia da prova (todo e qualquer teste deve ser feito na fase de treinamento) e de beber água na medida da sua necessidade.
Redução de tempo possível: 1 minuto

10 - Repouso é importanteNa semana da prova não adianta pensar que ainda dá pra melhorar a preparação. É hora de descansar! É até recomendado se fazer uns trotinhos todo dia ou dia sim, dia não, mas em ritmo muito confortável. E na véspera a indicação é ficar sentado ou deitado o máximo possível. Nada de grandes caminhadas e passeios!
Redução de tempo possível: 1 minuto

11 - Alimente-se adequadamenteDe modo geral as maratonas acontecem pela manhã. Não coma pouco nem em excesso antes da prova. Nos dois casos você estará reduzindo as suas chances de terminar a prova. O ideal é manter a rotina feita durante o período de treinamento. Seu café da manhã até pode ser um pouco mais reforçado, se acontece algumas horas antes da largada.
Redução de tempo possível: 1 minuto

12 - Pense positivoA chave aqui é o seu programa de treinamento. Mantenha-se fiel a ele e sentirá suas chances aumentarem. Uma vez dada a largada, comece devagar, pegue o ritmo e conscientemente mantenha sua energia durante a primeira metade da prova. Mais perto do final, quando e se as coisas começarem a ficar difíceis, não duele com você mesmo. Ao contrário, pense em como será bom quando você terminar com menos quinze minutos.
Redução de tempo possível: 1 minuto
 
 
COLABORADORES DO BLOG:

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

A suavidade e os benefícios da Corrida em Trilhas

 
A conexão com a natureza é a primeira coisa que vem à mente quando se pensa em Corrida em Trilhas. Com certeza isso é algo inerente à modalidade, mas, há muito mais em questão quando se pensa nos benefícios do esporte. E existem mitos para serem derrubados, exemplo? Corrida em trilhas é para “aventureiros radicais”, ou que é mais propensa a causar lesões. Não é bem assim.

O livro “Guia Completo para Correr em Trilhas“, de Dagny Scott Barrios (Editora Gente) aborda essas questões e vai fundo para tentar convencer os leitores que a corrida em trilha é um exercício suave, e que pode trazer menos chances de lesões do que a corrida em asfalto, por conta da não repetição constante dos movimentos.

O autor, que é um dos maiores especialistas em corridas do mundo, também afirma que a Corrida em Trilha é uma das melhores formas de aumentar o condicionamento para outros esportes. A “higiene” mental proporcionada pelo contato com a natureza entra como benefício extra do esporte.

“Quanto mais variada e rigorosa a topografia da trilha, mais músculos você terá que envolver na corrida. Enquanto correr em uma rua plana pode deixar você com um desequilíbrio no desenvolvimento muscular e, surpreendentemente fraco de maneira geral, a corrida morro acima e abaixo lhe dá força equilibrada em razão do desenvolvimento dos músculos dos glúteos, dos quadríceps, do grupo flexor das coxas e dos músculos das costas. A corrida em trilhas o torna mais forte e o ajudará em qualquer outro esporte para o qual esteja treinando”, diz o autor.

Mas o autor reconhece que o apelo à corrida em trilha tem menos a ver com o desenvolvimento equilibrado da musculatura e energia mental e mais a ver com a necessidade humana de superar desafios e fazer a adrenalina subir.

Dagny Barrios também desmitifica a ideia que a corrida em trilha é voltada para super atletas ou atletas acostumados com grandes distâncias, como maratonistas ou praticantes de corrida de aventura. Na verdade, a corrida em trilha pode ser praticada na humilde trilha de bairro ou de um parque ou reservas que existem sempre próximas a qualquer grande cidade.

Correr em trilha é simples. Contudo, o Guia apresenta dicas práticas para os que querem começar na modalidade, respondendo as principais dúvidas sobre vestuário, principalmente o tênis, melhor amigo do corredor de trilhas, equipamentos, técnicas de corrida e dicas de treinamento, alimentação e hidratação.
Segundo o autor, a motivação existe em maior oferta para os corredores em trilha do que para os de rua. Para os que estão a fim de descobrir um novo esporte, a dica está dada.



 
 
COLABORADORES DO BLOG:

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Camisa Dos Corredores de Mossoró Para 2016 Primeiro Semestre.

 
  
Quem tiver interesse em adquirir a CAMISA dos CORREDORES DE MOSSORÓ a mesma custa 38 reais confeccionada no tecido 100% POLIAMIDA com impressão SUBLIMADA a camisa terá o nome de cada atleta nas COSTAS personalizado para uma melhor identificação do atleta e por questões de segurança, então quem tiver interesse fale no whatsapp 84 9-8827-7755, só faremos o pedido se fecharmos o pedido mínimo de 50 camisas porém já passamos dos 40 atletas.
 
 
 
 
COLABORADORES DO BLOG:

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Dica da Body Nutri - Suplementos para corredores


 iso-capa
 
Nada melhor para a saúde do que aliar atividades físicas com uma boa alimentação. Quando a relação é com suplementos, o corredor precisa ter a informação correta para uma melhor qualidade do exercício. Saber a hora certa de ingerir pode fazer a diferença no desempenho do esportista. Mas qual os suplementos indicados para quem corre?

Antes

No caso para quem vai iniciar o exercício, a ingestão de suplementos do grupo dos energéticos pode ser essencial para a corrida. “A maltodextrina e a d-ribose são excelentes para o antes. É um preparo para o corpo, que vai demorar a se cansar durante o percurso”, revela Marcelo Bella, diretor executivo da Grow Dietary Supplements. O ideal é ingerir até 40 minutos antes da atividade.


Durante

É necessário também saber que tudo que se perde é preciso de reposição. Assim é o nosso corpo que, ao praticar exercício físico, perde sais mineiras importantes por meio da sudorese. Para isso, os isotônicos são excelente repositores e ajudam a melhorar o desempenho. Para o especialista, caso as atividades sejam intensas e prolongadas, o organismo precisará de mais nutrientes. “Se o treino, ou competição, durar mais do que duas horas, é importante uma nova carga de carboidrato – de absorção rápida”, diz o especialista. Para isso, os géis de carboidrato são a solução.

Depois

Após o treinamento, a recuperação da parte muscular se torna a grande prioridade. Para restaurá-la, a ingestão de aminoácidos e proteínas são fundamentais. “Até 30 minutos depois do treinamento, abre-se uma ‘janela de oportunidades fisiológicas’ para o anabolismo corporal, a reconstituição das fibras e tendões que sofreram microlesões durante a atividade física e precisam ser restauradas”, diz o profissional. Ainda, de acordo com Bella, os suplementos recomendados são o BCAA e o Whey Protein.

O que não pode ser feito antes da competição

Deve ser evitado tomar carboidrato de 10 a 15 minutos antes da prova, pois o corredor acaba tendo uma grande quantidade de glicose no sangue, dando um efeito negativo. “O organismo libera insulina em grande quantidade para equilibrar essa glicose, porém, quando o pâncreas secreta essa insulina, o nível de glicose fica abaixo do normal e o atleta acaba sofrendo hipoglicemia”, revela o especialista.

Fique por dentro dos suplementos indicados por Marcelo Bella
  • Maltodexitrino 
  • Suplemento que fornece energia e evita a fadiga muscular. Importante ingerir antes das atividades físicas.
  •  
  • D-ribose
  • Carboidrato especial na regulação de energia. Parte do nosso organismo não é capar de produzir ribose na quantidade e velocidade para repor os níveis de energia perdidos durante os exercícios. Ele faz com que haja o nivelamento dos níveis de energia, fazendo com que o desempenho físico seja melhor.
  •  
  • Isotônico
  • Repositor de sais mineiras perdidos no suor. Mantém o corpo hidratado, ajudando na performance durante os treinos.
  •  
  • Whey Protein
  • Proteína do soro do leite. Promove a retenção de nitrogênio (favorece o crescimento muscular). Também age para a redução dos sintomas do overtraining, fortalece o sistema imunológico e também possui ação antioxidante
  •  
  • BCAA
  • Aminoácidos de cadeia ramificada. São formados por três aminoácidos que não são produzidos pelo o organismo: L-Valina, L-Leucina e L-Isoleucina. Responsável pela recuperação muscular, de lesão formadas durante os exercícios físicos. Evita a perda de massa magra durante os treinamentos.
 
 
COLABORADORES DO BLOG:

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Dicas para Correr 10km Tranquilo.



10 dicas para correr 10 quilômetros

Está começando a aumentar as distâncias agora? Então esse post é para você!
Pedimos para o educador físico Eduardo Barbosa, da 4any1 Assessoria Esportiva, dar 10 conselhos para quem quer partir dos 5 quilômetros para os 10 quilômetros e completar sua primeira prova de 10k da melhor forma possível! <3
Anote aí:
  1. Nós sempre batemos nessa tecla, mas não custa repetir: é bom realizar exames médicos que atestam que você está apta para a prática esportiva, especialmente se você ficou um tempo sem treinar.
  2. Procure também a orientação de um profissional de educação física para que ele possa prescrever uma periodização de treinos organizados (planilha) de acordo com o seu condicionamento atual e o seu objetivo.
  3. Nos treinos, use roupas confortáveis e tênis adequado para a sua estatura, peso corporal e tipo de pisada.
  4. A musculação também é importante neste período de preparação. O cuidado com a musculatura é fundamental para garantir a energia necessária para completar bem seus primeiros 10 quilômetros — e evita lesões!
  5. Tenha uma prova de 10k como objetivo — ela servirá como motivação extra! Contudo, antes de escolher sua prova-meta, tenha em mente que uma boa preparação para corredores iniciantes leva em média de cinco a seis meses e, para intermediários, de quatro a cinco meses.
  6. Disputar até duas provas de 5k no período de preparação para a prova de 10k é uma boa estratégia para testar sua velocidade e ganhar ritmo.
  7. Na semana que antecede a sua prova-meta, procure aumentar os cuidados com a hidratação do corpo, ingerindo mais líquidos (preferencialmente água, mas vale também sucos de fruta natural). Evite bebidas alcoólicas nessa fase, pois elas atrapalham a estratégia de hidratação.
  8. Cuidado para não deixar pequenos deslizes “estragarem” sua prova. Na véspera, separe seu material esportivo (camiseta, shorts, tênis, número de peito e chip de cronometragem), procure saber o horário de largada e planeje seu deslocamento até o local com antecedência.
  9. Na manhã da prova que marcará sua estreia nos 10k, não invente: seu café da manhã deve ser parecido com o dos dias normais. Não precisa fazer uma refeição “reforçada”, tampouco é o momento de experimentar receitas e/ou suplementos novos.
  10. Na prova, procure se posicionar próximo às baias equivalente ao seu ritmo de treino moderado. Evite ziguezaguear na largada, tente tangenciar a prova para correr somente os 10k. Respeite seus limites e, nas subidas, procure levantar a cabeça e não olhar para o chão, assim a chegada ao topo ficará mais rápida. Utilize os postos de hidratação para molhar a boca e, para resfriar o corpo, jogue água nas articulações. Por fim, divirta-se na corrida!
COLABORADORES DO BLOG:

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

III Maratona de Revezamento Mossoró-Tibau Terá Inclusão De Duas Categorias: Dupla Masculina Local e Quinteto Misto Local.







A III Maratona de Revezamento Mossoró-Tibau já tem data confirmada e será sábado 30 de janeiro de 2016. Esse ano terá duas categorias a mais sendo elas DUPLA MASCULINA LOCAL onde dois atletas percorre a distância de 21km cada e terá também inclusão do QUINTETO MISTO que terá formação com uma mulher com obrigatoriedade na equipe e as demais categorias foram mantidas segundo o secretário Abraão Dutra. Seguindo orientações do prefeito Francisco José Jr a organização da prova fará as demarcações dos trechos de revezamento dos atletas novamente e que convocasse uma reunião pra ouvir os corredores, o secretário Abraão Dutra conduziu a reunião de comissão que foi realizada ontem no Ginásio Pedro Ciarlini com presença de vários corredores dentre eles 4 equipes com seus representantes onde foram apresentada o regulamento e através de sugestões de melhorias o regulamento foi modificado em algumas partes. Segue abaixo algumas informações que o blog colheu e maiores informações só quando o regulamento for publicado na próxima semana no Jornal Oficial do Município.

Quem pode correr como categoria LOCAL?
Todos os atletas que tiverem comprovante de domicílio no SEU NOME ou dos seus GENITORES como também TÍTULO ELEITORAL das cidades de MOSSORÓ E TIBAU.

Quais as categorias?

- Quinteto Local:  Masculina, feminina e Mista 
- Dupla Local: Masculina
- Quinteto aberta: Masculina e Feminina

Quando começa as inscrições?
De 18 a 28 de janeiro 2016

COLABORADORES DO BLOG:

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Dica da Bodynutri Suplementos: Você tem compulsão alimentar?

 compulsão-alimentar

Se você é do tipo de pessoa que se sente constantemente faminta, mesmo que tenha acabado de comer algo, saiba que, talvez, o seu problema seja muito mais grave do que imagina. Assim como mais de 2% da população mundial, você pode estar sofrendo com a compulsão alimentar, que é uma doença que traz uma vontade incontrolável de comer sem parar, mesmo quando não se está mais com fome.

Este foi o assunto abordado pelo psicólogo e psicoterapeuta – credenciado pela Associação Brasileira para Estudo da Obesidade – Dr. Marco Antonio de Tommaso, na palestra que ministrou no Day Care da Venus 15K, em São Paulo, no último sábado (19).
 

Segundo o especialista, a compulsão acontece quando se confunde a vontade de comer com outros sentimentos, como ansiedade, tristeza, estresse, nervosismo, entre outros. Como imagina precisar comer ainda mais para saciar sua vontade, a pessoa acaba comendo de forma exagerada – e em um tempo muito menor –, coisa que não faria se estivesse em condições normais.

“Qualquer pessoa pode sofrer com essa doença e não saber, independentemente do sexo ou idade”, afirma o profissional. Ele ainda conta que, em muitos casos, a pessoa que possui este problema tem consciência que o hábito a prejudica, mas não consegue colocar um fim definitivo a ele. “Já tive conhecimento de casos onde as pessoas ficaram conhecidas em restaurantes por comerem demais ou que gastavam todo o dinheiro que tinham em comida, chegando até a pedir empréstimos ou algo do tipo para saciar essa vontade”, conta o Dr. Tommaso.

Conforme explica o palestrante, esse descontrole não é segredo nem ao menos para a pessoa que o sente, que fica bastante constrangida por seu comportamento, já que a satisfação é apenas momentânea. O resultado disso pode levar, inclusive, a vários outros problemas psicológicos resultantes desta compulsão, como depressão e baixa da autoestima.
Para tratar esta doença, o ideal é procurar a ajuda de um psicólogo, assim como de um endocrinologista ou nutricionista, que podem ajudar a pessoa a identificar os seus sentimentos e controlar a compulsão quando estiverem com aquela vontade louca de comer, mesmo sem fome.
Alimentação para os corredores

Para quem é amante das pistas de corrida, o Dr. Tommaso também sugere que fique atento à alimentação correta. “Não adianta achar que quanto maior a distância percorrida, mais comida se pode comer, porque isso só vai prejudicar o resultado do exercício para o corpo e até para a mente”, alerta o especialista.

Também, de acordo com ele, o mais importante para a nutrição de um esportista é manter o equilíbrio entre a atividade física e a alimentação. Assim, os extremos devem ser evitados: nada de dietas radicais ou exageros na hora de se alimentar, pois essas atitudes podem dar margem a futuros comportamentos compulsivos e outras doenças ao organismo.
“O atleta não deve nunca abrir mão de estar corretamente alimento e bem orientado por profissionais especializados que deem as melhores orientações considerando a rotina dele”, finaliza o psicoterapeuta.
 
 
 
COLABORADORES DO BLOG:

Dica do Espaço Recover: Entenda como prevenir e tratar a fascite plantar

Fascite-plantar
 
Aquela dor intensa na planta do pé, na primeira pisada do dia ao levantar da cama, que alivia na posição sentada e piora com a sobrecarga na região, tem nome e sobrenome: fascite plantar.
É uma patologia muito comum no esporte, principalmente em corredores, e até na população sedentária (cerca de 10% das pessoas apresentam essa lesão). Trata-se de um processo degenerativo da fáscia, uma camada espessa de tecido próxima à sola do pé, que vai do calcanhar até o início dos dedos.
Durante a fase de apoio da caminhada e da corrida, a fáscia tem papel importante no amortecimento da carga, auxiliando o arco plantar longitudinal (a estrutura óssea do pé) no suporte do peso. O movimento repetitivo da corrida pode tensionar demais a fáscia, iniciando um processo degenerativo e inflamatório próximo ao calcanhar, onde as dores são mais frequentes. Esse aumento de tensão acontece por forças compressivas na fáscia, em pés cavos (ou supinados), ou por força de estiramento em pés planos (ou pronados). Avaliar essa diferença do padrão do pé é fundamental para o tratamento, pois o alongamento pode ter efeito benéfico na condição do pé cavo e pode piorar a dor no pé plano.

O tratamento inicial tem como objetivo diminuir a dor e controlar o processo inflamatório. São indicados:
  • Crioterapia, associando aplicação de gelo e massagem. (Em casa, é possível usar uma garrafinha plástica com água congelada, pressionando-a ao longo da planta do pé.)
  • Técnicas de pressão pontual, para reduzir a tensão e a dor.
  • Bandagens e órteses, melhorando a posição do pé durante longos períodos, também para reduzir a tensão e a dor.
  • Uso de equipamentos com ação no processo inflamatório, como ultrassom e laser.
A segunda fase de tratamento é muito semelhante à forma de prevenção dessa lesão. O objetivo é reduzir o excesso de tensão aplicado na fáscia, melhorando a ação de outras estruturas que também auxiliam o amortecimento. Basicamente, os principais músculos relacionados com absorção de energia durante a corrida são o quadríceps, os isquiotibiais e a panturrilha. Os músculos relacionados ao suporte de peso são o tibial posterior e anterior, e os intrínsecos do pé. Se esses grupos musculares estiverem bem trabalhados – com treinos de força, resistência, alongamento, equilíbrio e ativação neuromuscular – o risco de sobrecarregar a fáscia é menor.
É importante procurar um fisioterapeuta especializado para que o tratamento seja mais rápido e eficaz, evitando lesões associadas ou o agravamento da condição atual.
*Beatriz Peres é fisioterapeuta do Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa e instrutora de Pilates
 
 
COLABORADORES DO BLOG:

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Dica da Inside Fit Academia: Brinque de correr com o Treino de fartlek

 fartlek-corrida

A corrida, na infância, é uma brincadeira. Quando estamos mais velhos, a diversão não pode acabar. O fartlek é um tipo de treino com este conceito. Ele foi originado na Suécia e o seu nome vem das palavras fartlöpning (correr) e lek (brincar). “A principal característica deste estilo de treinamento é que você precisa correr o tempo todo”, explica Leandro Sandoval, diretor técnico da Life Training. “Há uma variação de ritmo durante todo o exercício”, complementa. Para resumir, em uma mesma atividade, você pode correr forte, trotar para se recuperar, voltar a aumentar a velocidade e terminar correndo o máximo que puder, por exemplo.

Uma outra característica que pode ser incluída no fartlek é a mudança de terrenos e altimetria ao longo do treino. “Isso varia de acordo com o objetivo individual de cada atleta.”

Este treinamento, segundo o Sandoval, ajuda no aprimoramento da capacidade cardiorrespiratória, promove o aumento da resistência muscular, além de melhorar a força e a velocidade do corredor – por isso, é ideal tanto para iniciantes quanto para atletas mais experientes no esporte. “Recomendo que seja incluído na rotina de treinos, pelo menos, uma vez a cada 15 dias”, afirma, ressaltando a importância de acertar isso com um treinador especializado.

Para que o seu fartlek seja satisfatório, fique atento para não forçar o ritmo por muito tempo. “Não exagere na quantidade de variações e cuidado com o tempo total de treino. Costumo recomendar 45 minutos”, diz.

Segundo Sandoval, o treino só é contraindicado para pessoas que têm problemas específicos, como arritmia cardíaca – em que não se aconselha a elevação dos batimentos cardíacos – ou alguma lesão que o impeça de correr por um período.
COLABORADORES DO BLOG:

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Grupo de Amigos Corredores de Mossoró Realiza Treino de Longão Nesse Final de Semana






Com a iniciativa de alguns corredores foi lançado uma ideia no grupo de Whatsapp CORREDORES DE MOSSORÓ grupo esse que foi criado para corredores iniciantes que se estimule com os resultados de alguns corredores como também conhecer um pouco mais do mundo das corridas porém o objetivo maior é aproximar mais os membros das equipes formada aqui no município para treinos e agenda de corridas aqui na nossa cidade e estados vizinhos. membros das equipes já confimadas: Bola Running Mossoró, AlphaRunner, Papa-léguas, Ecossistema, Guerreiros Km e corredores avulsos.



INFORMAÇÕES DO LONGÃO DO BLOG CORREDORES DE MOSSORÓ:


Realização do Longão: Corredores de Mossoró (todos os membros do grupo do whatsapp)

Data: 05 de Dezembro
Distância: 5, 10, 15km (Percurso esse onde cada corredor escolhe o percurso que deseja correr/caminhar)
Percurso: Romero Frutas / Estrada de Tibau / Romero Frutas
Local: Romero Frutas (vizinho ao Posta da Rodoviária Federal "saída para Tibau)
Horário de Saída: 5h30 (pontualmente)
Valor do longão: Gratuita
Hidratação: Fica Por conta de cada corredor porém estamos colocando a disposição hidratação no percurso
Objetivo: Aproximar os corredores das equipes uns com os outros e os incentivar no esporte como também ajudar com algumas dicas e sugestões.
Grupo do Whatsapp: 84- 98827-7755




COLABORADORES DO BLOG:

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Abriram MAIS INSCRIÇÕES para MEIA MARATONA DE REVEZAMENTO DO SESC

Abertas mais inscrições para a Meia Maratona de Revezamento do Sesc até hoje as 17h e amanhã das 8h às 10h, então para você que ficou na duvida de participar ou não essa é a hora de decidir e correr até Sesc e fazer sua inscrição presencial pois os kits já começaram a ser entregue hoje desde as 8 horas.














A Meia Maratona Sesc de Revezamento será composta por categorias de duplas e quartetos, nas categorias comerciários e comunidades (masculino, feminino e misto). Cada equipe deverá cumprir a distância de 20 km, dividida de acordo com o número de participantes por equipe. Cada atleta inscrito deverá cumprir seu percurso determinado para sua categoria, uma única vez, respeitando a ordem da inscrição na equipe para a sequência no revezamentoSerão desclassificadas as equipes que não observarem estas normas.



COLABORADORES DO BLOG:

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

10 erros comuns antes e durante uma prova


1) NÃO PROCURAR SE INFORMAR SOBRE A CORRIDA. Ao contrário de anos atrás, quando se ia para uma prova sem muitas informações, e as surpresas aconteciam, atualmente o corredor tem facilidade para saber sobre os eventos, através de publicações e pelos inúmeros sites voltados ao segmento. A CR procura cumprir esse papel e está sempre disponível para esclarecer dúvidas sobre provas não apenas no Brasil, como também do exterior.

2) NÃO DESCANSAR O SUFICIENTE NA SEMANA. Apesar de existir toda uma teoria sobre treinamento, envolvendo várias fases de preparação, na prática sabe-se que a maioria dos corredores não realiza um planejamento de médio e longo prazo, com exceção, talvez, quando se tem em vista uma maratona ou um evento semelhante. Dessa forma, se a prova é de 10 km ou uma meia-maratona, o que se faz é realizar treinos mais rápidos e mais curtos ou um pouco mais longos e não tão fortes, para essas duas situações citadas como exemplo. Não é nada "científica" tal preparação, mas é corriqueira, porque acaba funcionando de alguma forma. Só que muitos costumam manter ou até intensificar os treinos na semana da prova, para não perder condicionamento, o que geralmente é um erro, pois se vai chegar na competição não devidamente descansado. Uma regra que os mais experientes logo constatam é a seguinte: treinos excelentes durante a semana, prova ruim no fim de semana. Portanto, para a próxima competição, opte por fazer a última semana leve, mesmo porque está provado que não se perde condicionamento em alguns poucos dias de descanso.

3) FAZER UM CAFÉ DA MANHÃ DIFERENTE DO HABITUAL. Esta recomendação está em todos os lugares e já é um lugar comum. Mas ao contrário de outras que vem sendo contestadas ou colocadas em dúvida (pela Contra-Relógio), como a necessidade de alongamento imediatamente antes de começar a correr ou a recomendação para se beber um copo d´água a cada 20 minutos, esta continua valendo e deve ser seguida, para que não se tenha surpresa antes da largada ou durante a prova. Com o agravante que banheiros costumam estar sempre cheios na área da concentração e raramente são encontrados no percurso...

4) USAR ROUPA OU TÊNIS NOVO. Outro alerta que se lê em todos os sites, revistas etc, mas curiosamente não costuma ser levado em conta por grande parte dos corredores, seja porque o desejo de estrear algo novo bate mais forte, ou porque não se considera tal recomendação como muito importante. É verdade que hoje em dia a vestimenta para a prática da corrida é algo especializado para dar o maior conforto possível ao esportista, assim como os tênis parecem que já vem "pré-amaciados", tal a qualidade que apresentam. Mas, mesmo assim, não vale a pena correr o risco de sofrer um incômodo durante a prova, por conta da roupa ou do calçado, recomendação válida especialmente para as mais longas, onde o problema tem mais chance de aparecer.

5) IR PARA A PROVA, COM POUCA ANTECEDÊNCIA E NÃO SABENDO PRECISAMENTE O LOCAL. Em várias cidades os participantes já conhecem bem onde as corridas costumam acontecer, mas não se pode esquecer que mudanças de trânsito, até por conta do evento, são sempre possíveis de ocorrer, daí este alerta, que merece especial atenção quando se trata de provas em outras cidades. Só quem já chegou atrasado para uma largada sabe o quanto é desagradável. Efetivamente, não é uma experiência que valha a pena passar.

6) NÃO PASSAR VASELINA. OUTRA RECOMENDAÇÃO CONHECIDA E MUITAS VEZES ESQUECIDA. Ela é indicada notadamente para os dias mais frios, para os corredores mais pesados e quando da participação em percursos longos. Além dos mamilos, sugere-se passar vaselina também entre coxas e na parte genital. Alguns gostam de usar o produto nos pés, igualmente para evitar assaduras, mas é necessário atenção para não exagerar, para que os pés não fiquem "dançando" na meia/tênis.

7) ALONGAR POR MUITO TEMPO. Este hábito já está arraigado entre inúmeros corredores, ainda mais que várias são as provas que fazem uma seção de alongamento pouco antes do tiro de largada. Como a revista mostrou em edições anteriores, esse "puxa-estica" imediatamente antes de começar a correr não traz qualquer ajuda (para evitar lesões ou para correr melhor) e pode até prejudicar a performance. O indicado é que se faça um simples aquecimento, através de trote, ou que se comece sem forçar, para ir acostumando a musculatura.

8) FICAR BEBENDO BASTANTE LÍQUIDO ANTES DA LARGADA. Da mesma forma que os alongamentos antes do começo de uma corrida, a falta do que fazer leva muita gente a ocupar o tempo ingerindo líquidos, para começar a prova "bem hidratado". O problema é que as pessoas exageram, e o resultado é a necessidade de parar no percurso, mesmo que a distância seja de apenas 10 km, para urinar. Antigamente acontecia de algumas corridas não garantirem um bom abastecimento durante o trajeto, mas agora o que se vê é até o contrário, com inúmeros postos de água e isotônico, daí não ter muito sentido essa preocupação com a hidratação prévia.

9) ESQUECER DE AMARRAR FIRME O TÊNIS. Naturalmente que todo mundo sabe da importância de amarrar bem o tênis, ainda mais que se precisa prender o chip. Acontece que mesmo quando essa operação é feita com cuidado, os cadarços podem se soltar durante a competição, atrapalhando o corredor e o fazendo perder algum tempo. Isto acontece especialmente quando está chovendo ou quando se transpira muito (ou se joga bastante água no corpo), fazendo com que os cadarços se amoleçam e soltem. A solução é muito simples: basta dar um nó no cadarço, após o laço. Também existe um dispositivo para prender firme o laço, enquanto alguns preferem colocar para dentro do tênis os cadarços.

10) SE POSICIONAR O MAIS NA FRENTE POSSÍVEL. É lógico que todo mundo quer sair perto da linha de largada, para não perder tempo no momento em que o congestionamento é maior, como acontece cada vez mais em nossas corridas, especialmente as nas grandes cidades. Só que esse empenho para se posicionar na frente acaba sendo pouco producente e até perigoso, a não ser que você seja efetivamente um corredor rápido. O tempo que se perde nas largadas costuma ser inexpressivo e, além disso, as provas costumam considerar os tempos líquidos, contados apenas a partir do momento em que a pessoa passa pelo tapete da largada. E a saída entre os mais rápidos, pode acarretar uma queda e muito provavelmente alguns xingamentos ou empurrões, por estar atrapalhando os demais.

DURANTE

1) COMEÇAR A PROVA MUITO FORTE. Este aspecto por vezes está relacionado ao 10º quesito da primeira parte da matéria, ou seja, muita gente larga em ritmo acelerado por ter se posicionado na frente e, com medo de ser atropelado, faz os primeiros metros "voando", mas logo cansa. Mesmo para quem corre em bom ritmo, mas não é um atleta de elite, o recomendável é sair sem forçar demais, achando sua velocidade ideal logo depois e até guardando um pouco para a parte final da competição, para uma chegada triunfante.

2) ESTABELECER UM DETERMINADO RITMO RÍGIDO. Conversa comum antes de largadas é sobre o ritmo que cada um pretende fazer. É algo até razoável tal previsão ou aspiração, mas ela precisa ser devidamente considerada, para não acabar prejudicando o resultado final do corredor, para mais ou para menos. Vamos explicar! Ao se entrar numa prova com o objetivo de fazê-la em tantos minutos por quilômetro, checando no relógio cada passagem de km, acaba se ficando escravo do ritmo, mas pode-se estar num dia ruim (cansado por alguma razão) ou a prova não estar oferecendo boas condições pelo percurso ruim ou alta temperatura. Dessa forma, não será possível cumprir o ritmo almejado e assim deve-se encarar a situação, correndo-se na velocidade "possível" naquele dia. O contrário também acontece, ou seja, começa-se a prova em determinado ritmo, mas se constata que está sobrando energia (pelas razões inversas anteriormente apresentadas) e então é o caso de esquecer o tempo previsto (e as recomendações do treinador) e correr como o corpo está aceitando e pedindo no momento, quem sabe até para conseguir o recorde pessoal na distância.

3) ERROS AO PEGAR E TOMAR ÁGUA. A questão do abastecimento parece algo simples e efetivamente é, mas os iniciantes por vezes se atrapalham. A começar pela procura logo da primeira bancada de água, sempre a mais congestionada, quando normalmente muitas outras estão pela frente. E depois de pegar o copo a recomendação é se afastar do local, para facilitar para os outros e não se chocar com os mais (ou tão) afoitos. Outra recomendação é quanto à forma de beber a água do copo. Muitos ainda abrem completamente o lacre e ao tentarem beber, além de desperdiçarem boa parte, acabam se engasgando. O correto é fazer um furo na tampa, com o dedo, e ir tomando de golinhos. E nem precisa tomar tudo, podendo o restante ser jogado na cabeça, para refrescar.

4) FICAR CORRENDO EM ZIGUE-ZAGUE. Esta recomendação é óbvia, uma vez que qualquer pessoa sabe que o mais lógico é o corredor não sair de seu caminho, desviando para um lado ou outro, porque acaba cortando a frente dos outros, com risco de quedas, além de prejudicar seu próprio rendimento, uma vez que acabará fazendo uma distância superior à aferida pelo evento. Apesar disso, alguns fazem essa "operação", quando da proximidade de postos de abastecimento, ou para conversar com um amigo, ou para ser fotografado, ou para sair na TV...

5) NÃO PROCURAR TANGENCIAR AS CURVAS. Aqui a questão é técnica e se resume a alertar para que a pessoa corra a distância efetivamente medida, resultado de uma aferição feita por pessoal gabaritado e que realiza o melhor tangenciamento possível das curvas, com o objetivo de procurar encontrar a menor distância. Ou seja, quem corre certo, completa o mesmo trajeto do medidor, enquanto os outros fazem alguns metros mais.

6) LEVAR GEL PARA UMA PROVA DE 10 KM. Citamos o gel de carboidrato, mas pode ser um outro suplemento qualquer. Efetivamente em eventos de curta distância não é necessária qualquer suplementação, para repor a energia perdida, bastando água e eventualmente o isotônico fornecido pela organização. Mesmo porque a absorção por parte do organismo demora algum tempo, daí tal ingestão não fazer qualquer diferença.

7) NÃO PARAR OU REDUZIR AO SENTIR MAL ESTAR. Correr significa se esforçar para vencer determinada distância e mesmo que não se trate de uma pessoa competitiva, algum empenho sempre será necessário. Isso poderá significar algum sofrimento durante a competição, mas deve-se separar bem o que são dores musculares ou o cansaço natural, de um mal estar repentino, como tontura, dor no peito, vontade de vomitar. Nestes casos, não se deve titubear: é parar e ir caminhando, ou pelo menos reduzir o ritmo. Se tudo voltar ao normal, a corrida continua, caso contrário procurar ajuda médica o quanto antes.

8) NÃO RELAXAR OMBROS E BRAÇOS. Pode parecer bobagem esta recomendação, na medida em que o que manda numa corrida são as pernas (e os pulmões). Mas correr muito tenso é prejudicial para o rendimento do atleta, daí se indicar que de tempos em tempos o corredor procure dar uma relaxada nos ombros e braços, e também não fique olhando fixo para frente, mas aproveitando para trocar idéias com alguém ao lado, vendo a paisagem, brincando com a platéia (quando existe...).

9) ALONGAR QUANDO SURGEM CÂIBRAS. O tema não tem unanimidade, até pelo contrário, com muita gente recomendando que se alongue quando as câibras aparecerem durante uma competição. Mas fisiologistas e fisioterapeutas comentam que tal atitude nada ou pouco ajuda, sendo mais producente simplesmente procurar caminhar até as contrações pararem ou diminuírem. Melhor ainda se a pessoa conseguir aplicar gelo no local.

10) ACABAR A PROVA, PARAR E ALONGAR. Assim como antes de começar a correr se sugere um prévio aquecimento, para depois também se indica um desaquecimento, que pode se dar através de caminhada ou mesmo um trote. Nada de parar imediatamente e começar a alongar. Esta atitude é perigosa para o sistema cardiorrespiratório porque o coração, que vinha trabalhando em ritmo acelerado, não muda automaticamente de ritmo ao se terminar a prova e, dessa forma, acaba bombeando mais sangue do que o corpo passa a necessitar. E alongar com o corpo muito quente pode levar a um esticamento exagerado das fibras musculares, com risco até de rompimento. Portanto, deixe o alongamento para depois de caminhar por uns tempos e se hidratar.


COLABORADORES DO BLOG: